Tag

funk

Browsing

No dia 6 de novembro, a cantora Tati Zaqui vai se apresentar em São Paulo, na Toy Room, apresentando o seu novo hit, a música “Surtada

A funkeira, dona dos hits “Água na Boca” e “Parara Tim Bum”, também lançou o clipe do seu novo som, que conta com a parceria com Dada Boladão e OIK. A canção, que tem um ritmo dançante no estilo brega funk, atingiu 1º lugar no TOP 50 do Spotify Brasil e já acumula mais de 46 milhões de views nas plataformas digitais.

Confira o clipe da música “Surtada”:

Tati Zaqui no Toy Room

Data: 06 de novembro de 2019
Onde: Toy Room
Local: Alameda Lorena, 1386 – Jardim Paulista, São Paulo – SP, 01424-001

“Vai Anitta” é o novo documentário produzido e distribuído pela Netflix, lançado na última sexta (16), que conta um pouco mais da carreira de Larissa de Macedo Machado, a Anitta. A produção é genuína e mostra como a marca Anitta vem sendo lapidada ao longo do tempo, em especial sua projeção fora do país, porém não é pioneira ao mostrar o lado “humano” de uma grande celebridade.

Em todo o Brasil, é simplesmente impossível encontrar uma pessoa que não conheça Anitta ou que não saiba cantar ao menos uma de suas músicas. “Vai Anitta” mostra que, de forma avassaladora, a artista abocanhou o país com o seus hits e que está fazendo o mesmo fora dele de forma rápida. Basta acompanhar seus números – já que ela é a cantora brasileira mais ouvida fora do Brasil, no Youtube e Spotify – ou até mesmo sua crescente posição na Billboard.

O documentário traz diversas pessoas que estão ao redor da cantora, como seu irmão, que é seu sócio, seus pais, empresários, dançarinos, assistentes, amigos, famosos como Jojo Toddynho, Victor Sarro e Nego do Borel, e seu ex-marido, Thiago Magalhães. Todo esse background tem como esforço mostrar um lado mais humano da cantora, tanto para gerar empatia quanto reafirmar como ela é boa no que faz — você pode não gostar da Anitta, mas é inegável como ela faz bem o que se propõe a fazer.

A jornada da sua carreira mais explorada foi o projeto Check Mate, com o qual lançou quatro músicas, com seus clipes, em um período de quatro meses, fazendo parceria com nomes de peso para se projetar fora do Brasil. Outra característica interessante do Check Mate é que cada música tem uma particularidade muito própria, tanto de letra quanto de estilo, mas todas mantêm a assinatura da cantora.

A música “Will I See You” conta com a participação de Poo Bear em uma música mais romântica cantada em inglês que trouxe um pouco da bossa nova. Já a segunda música, “Is That For Me”, também em inglês, contou com as batidas envolventes do DJ Alesso. A terceira música, “Down Town”, aflorou na cantora o ritmo latino, ao lado de J-Balvin, com quem já tinha feito uma música anteriormente. Mas foi apenas na última música que Anitta voltou para suas raízes do funk e fechou o projeto com chave de ouro ao lado de MC Zaac e Maejor. A série explora algumas curiosidades de cada uma das músicas e o relacionamento da cantora com todos os artistas e produtores internacionais.

Um dos momentos mais interessantes da série é o making off do clipe “Indecente”, que foi gravado ao vivo na casa da cantora, além de fazer parte da comemoração do seu aniversário. Durante esse grande evento é possível ver mais sobre Anitta, seu perfeccionismo, suas ideias inovadoras quando se fala de música brasileira e nuances de sua personalidade.

O grande problema da série é justamente como a personalidade da Anitta é tratada. Existe uma autoafirmação em demasia do potencial da cantora, que é inegável, porém existem momentos que queremos ver outras facetas como raiva, exigência, preocupação e tristeza, afinal de contas, ela é humana e existe muita cobrança em cima de seu trabalho. Talvez parte do problema seja o fato de que a própria Anitta é produtora-executiva da série. Essa falta é bastante visível, principalmente quando a série é comparada com outros documentários que possuem a mesma proposta como “Life is But a Dream”, da Beyoncé, no qual todos os aspectos da vida da cantora são explorados e existe maior identificação entre personagem e espectador.

A fotografia no momento das recordações da Anitta é algo que pode incomodar. As fotos da cantora são sobrepostas em fundos coloridos com variações de rosa, algo que, apesar se comunicar com a proposta mais simples e descontraída do documentário, acabou dando um ar muito caseiro e cafona à obra.

“Vai Anitta” desconstrói o arquétipo preconceituoso da funkeira que tem a bunda maior que o cérebro. A cantora mostra seu talento – sempre confirmado por grandes nomes da indústria musical –, suas relações interpessoais, revela defeitos, qualidades, problemas íntimos e se mostra humana como ela é. Muitas vezes a série peca em desenvolver os outros lados da personalidade da Larissa. Ainda assim, a série merece ser assistida por todos que desejam conhecer as virtudes de uma grande artista ou entender a revolução que ela causou na música brasileira.