Tag

Bryan Cranston

Browsing

Três amigos que se conheceram no exército, uma tragédia e diálogos inverossímeis. É possível resumir A Melhor Escolha (Last Flag Flying), filme dirigido e escrito por Richard Linklater, a essa única frase. O filme conta a história da jornada de Larry “Doc” Shepherd (Steve Carell), Sal Nealon (Bryan Cranston) e Richard Mueller (Laurence Fishburne) por memórias e problemas vividos por eles e reencarnados em outros jovens soldados.

O filme tem um ritmo lento e por vezes entediante, mas possui bons momentos. Os acontecimentos parecem se desenrolar sem nenhuma pressa, o que poderia não ser algo tão ruim, não fosse por estabelecer um ritmo que não prende o espectador ao que acontece na tela. Salvo raras exceções, como alguns momentos cômicos do trio principal e falas bem encaixadas de personagens secundários, o filme não é muito impressionante.

O roteiro trata de amizade, perdas e reestruturação, e até mesmo reintegração de militares a vida civil. Traz personagens caricatos que têm diálogos impossíveis, que parecem questionar a inteligência de quem está assistindo. Ao invés de utilizar recursos visuais mais dinâmicos, como flashbacks ou memórias perdidas, utilizam diálogos entre personagens do presente como uma fuga fácil para uma situação complicada a ser explicada ao espectador.

A fotografia é um dos méritos do filme, sendo suave e traduzindo fielmente o clima de melancolia que o roteiro demanda. Com tons pastéis em cenas com alto teor emocional e cores mais vívidas em momentos de alegria e descontração, as imagens auxiliam no storytelling e até mesmo tentam fluir a história de forma mais agradável aos olhos.

Quanto às atuações, Steve Carell com certeza surpreende. Famoso e conhecido por seus papéis em comédias, em A Melhor Escolha ele prova também ser talentosíssimo em papéis dramáticos e de peso. Traz a figura de um pai amoroso, preocupado e extremamente abalado, que confia em amigos para ajudá-lo em um momento difícil.

Bryan Cranston e Laurence Fishburne parecem estar desconfortáveis, entregando performances caricatas e estereotipadas considerando as características de seus personagens. No tempo de tela, o personagem de Cranston tenta a todo momento fazer piadas infames e chamar a atenção para si, claramente desrespeitando um momento delicado. Pode ser uma tentativa de humor, mas ela é extremamente falha.

A Melhor Escolha é um filme de poucos bons momentos, se atendo a personagens rasos, diálogos absurdamente questionáveis e méritos que não compensam (ou justificam) seus longos e pesarosos 124 minutos.

A vida dividida entre ser ético ou ser uma pessoa ambiciosa e reconhecida naquilo que faz transforma o professor de química, Walter White, em alguém completamente diferente. O fenômeno ‘Breaking Bad‘ mostra a transformação de um homem bom em algo muito além do que ele sempre foi. Quando Walter se vê em um dilema ético e moral, ele precisa fazer a escolha de entrar nos negócios de metanfetamina ou dar a devida atenção à sua família, que ainda não sabe que ele tem câncer. No entanto, ele não sabe quando acabará morrendo, o que o faz escolher o mundo do crime com o intuito de conseguir o máximo de dinheiro possível para vê-los felizes, e assim, possibilitar uma boa vida financeira mesmo após sua morte.

O legado deixado pela obra da AMC é um retrato da conquista de um criador em seu mais alto nível intelectual, criativo e filosófico. A série é divertida, impactante, dramática, inteligente, ambiciosa, e devoradora quando se trata de contar uma boa história. Criada por Vince Gilligan e contando com apenas cinco temporadas, que foram ao ar de 2008 a 2013 na AMC, a história consegue desenvolver excelentes arcos que exploram cada vertente da vida de Walter White, fechando-os com maestria em seu episódio final, sendo considerada uma das séries mais aclamadas de todos os tempos. A distinção entre o que é certo e o que é errado não pode ser estabelecida apenas pelo lado moral e ético já conhecido da nossa sociedade. As cenas em que levam a julgamento as ações de um traficante são muito mais complexas do que se possa imaginar.

Tudo aqui impressiona: o roteiro que cria excelentes doses de comédia com suspense e humor negro; a fotografia que conta com contrastes entre sépias e tons esverdeados para passar a ilusão de medo e descoberta; e um elenco de peso com nomes como Bryan Cranston (Walter White), Anna Gunn (Skyler White), Aaron Paul (Jesse Pinkman), Giancarlo Esposito (Gus Fring) e Bob Odenkirk (Saul Goodman).

Breaking Bad‘ consegue despertar a empatia do espectador justamente por ajudá-lo a refletir sobre a vida e as reflexões filosóficas a respeito de como devemos encarar os nossos problemas e como podemos levantar todos os dias da cama e continuar seguindo em frente. Um triunfo que merece ser assistido e conhecido por todos os amantes de boas histórias e louváveis interpretações. No Brasil, a série foi lançada no canal pago AXN, em junho de 2010. Na TV aberta, foi ao ar pela Rede Record, no dia 14 de Janeiro de 2014. Atualmente, uma série spin-off de ‘Breaking Bad’, chamada ‘Better Call Saul‘, também criada por Vince Gilligan, está em andamento pela AMC contando com três temporadas.

Foto: divulgação / AMC