Author

mairibeiros

Browsing

Na última sexta-feira, dia 10 de novembro, foi o Dia da Prevenção e Combate à Surdez. A detecção precoce de problemas auditivos pode resultar em melhor qualidade de vida. Criada por lei municipal em 2000, mas sancionada pelo Governo Federal em 2010, a Triagem Auditiva Neonatal, conhecida como Teste da Orelhinha, é feita de forma rápida, fácil e indolor, executada durante o sono natural do bebê. Realizado no recém-nascido, com dois a três dias de vida (mas pode ser realizado até o 3º mês após o nascimento), ainda na maternidade, o teste é feito colocando um fone de ouvido na orelha. Não é invasivo, não gera incômodo ou dor e dura cerca de 10 minutos. Ele capta ruídos emitidos pelas células ciliadas externas (células responsáveis pela audição) em funcionamento.

Quando o resultado é negativo, ou seja, com ausência de resposta ao Teste da Orelhinha, pode indicar provável problema na audição. “Provável porque um resultado negativo ao exame precisa ser confirmado com outros testes. Por isso, ele também recebe o nome de ‘Triagem Auditiva Neonatal’, pois trata-se de uma forma de triar casos suspeitos, mas ele por si só (isolado) não é um exame confirmatório”, explica Jeanne Oiticica, médica otorrinolaringologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

A surdez congênita ocorre em cerca de um a quatro bebês a cada 1.000 nascidos vivos. Os fatores hereditários são responsáveis por 60% dos casos de surdez em crianças. Os outros 40% são por motivos ambientais, ou seja, infecções adquiridas pela mãe durante a gestação, incluindo rubéola, sarampo, varicela, diabetes, o uso de álcool, drogas, medicamentos tóxicos ao ouvido, complicações durante o parto, sofrimento fetal, falta de oxigênio, nascimento prematuro, circular de cordão umbilical e meningite na infância.

O Teste da Orelhinha serve para sugerir a possível existência de problema de audição, portanto, também serve de alerta. O objetivo dele é recrutar casos suspeitos, que serão investigados detalhadamente e submetidos a demais exames confirmatórios ou não. O acompanhamento médico é essencial, já que a surdez ao nascimento, em geral, tem tratamento, possibilitando a reabilitação desses bebês com deficiência auditiva.

Que viajar é bom, todo mundo sabe! Porém, muitos pensam que não há como bancar uma viagem legal ou conhecer aquela cidade linda fora do país. Por isso, separamos aqui algumas dicas simples para você economizar e, finalmente, embarcar para o destino dos sonhos:

1) Faça um planejamento

Para conseguir bons preços, é fundamental fazer um planejamento de viagem com bastante antecedência. Se você pretende parcelar as dívidas da viagem, quanto mais cedo você fechar o pacote ou comprar as passagens, por exemplo, mais baixos serão os pagamentos mensais. Além disso, desta forma você vai poder pagar tudo antes de embarcar e, assim, poderá viajar sem preocupações. Se preferir fazer os pagamentos à vista, tente conseguir alguns descontos.

2) Organize-se

Monte uma planilha ou outro tipo de controle que seja mais fácil para você e anote tudo o que vai gastar: passagens aéreas, seguro-saúde, acomodação, comida, compras, passaporte e vistos (no caso de viagens internacionais), etc. Com um orçamento bem definido, vai ficar muito mais fácil se organizar e saber quanto será necessário poupar todo mês para realizar a viagem dos sonhos. E você também pode ir anotando tudo o que já pagou e o que ainda falta quitar.

3) Pesquise muito

Na hora comparar os preços das passagens, faça pesquisas em sites como o Skyscanner, Google Flights e Kayak, por exemplo. Em alguns casos, passagens com escalas podem ter preços mais baixos. Já para buscar acomodações, os sites Booking, hoteis.com e Trivago são boas opções. Geralmente, estas ferramentas mostram as avaliações de hóspedes, pontuação do local e todas as comodidades oferecidas. Algumas reservas ainda oferecem o cancelamento gratuito até poucos dias antes do check in, ou seja, se houver algum imprevisto de última hora, você pode cancelar sem perder dinheiro.

4) Fuja da alta temporada

É comum que em meses de férias e feriados os preços fiquem lá em cima. Afinal, quanto maior a demanda, mais alto o valor do produto ou serviço. Se possível, programe-se para tirar férias em meses de baixa temporada. Desta forma, será muito mais fácil conseguir pacotes promocionais e com preços muito mais atrativos.

5) Busque atrações gratuitas

Claro que você vai ir em locais pagos, mas não deixe de buscar museus, exposições e outras atrações gratuitas também, pois valem muito a pena. Além disso, muitas vezes, o melhor passeio que você vai fazer em uma cidade turística é caminhar por ela. Lugares famosos, como Amsterdã e Roma, têm ruas e paisagens lindas que encantam qualquer um. Não deixe de andar e descobrir cantinhos lindos pelo mundo. Se for a maioria dos lugares andando, ainda vai economizar no transporte!

Se você pensa que este é um texto direcionado a estudantes e profissionais da área de Direito, está enganado. Com histórias muito inteligentes e envolventes, os seriados listados abaixos podem entreter todo tipo de público. E o melhor de tudo: todos estão na Netflix. É quase certo que pelo menos um deles vai prender a sua atenção!

1) Suits (2011)

A série escrita por Aaron Korsh acontece em Nova Iorque e tem como personagem principal Harvey Specter, um renomado advogado que atua no escritório Pearson Hardman e é famoso por ser um bom negociador e sempre vencer seus casos. A história começa quando ele decide recrutar como seu advogado associado Mike Ross (Patrick J. Adams), um rapaz com extrema inteligência e uma memória fotográfica impressionante, mas que nunca obteve um diploma de Direito em Harvard, primeira exigência para trabalhar na empresa. A série mostra como Harvey e Mike lidam com este segredo e destaca que, apesar de suas diferenças, eles podem trabalhar muito bem juntos. Suits tem seis temporadas e a sétima já foi confirmada.

 

2) Scandal (2012)

Criada por Shonda Rhimes, produtora famosa pela aclamada série médica Grey’s Anatomy (2005), Scandal se passa em Washington DC e foca na vida da advogada Olivia Pope (Kerry Washington) e as tramas que envolvem o seu escritório de gerenciamento de crises e a Casa Branca, lugar que ela trabalhou no passado mas que ainda faz parte da sua vida. O enredo é interessante para quem gosta de política, pois grande parte da história é ligada ao presidente dos Estados Unidos Fitzgerald Grant III (Tony Goldwyn) e os bastidores da Casa Branca. Scandal é cheia de mistérios e crimes e quase sempre é difícil saber em quem acreditar. Não há mocinhos ou vilões, todos podem fazer coisas boas e ruins. A série está atualmente em sua sétima e última temporada.

 

3) How To Get Away With Murder (2014)

Criada por Peter Nowalk e produzida também por Shonda Rhimes, a série se passa em torno da vida de Annalise Keating (Viola Davis), advogada de defesa e professora universitária que seleciona alguns de seus alunos para trabalhar em seu escritório. Os escolhidos Wes Gibbins (Alfie Enoch), Laurel Castillo (Karla Souza), Connor Walsh (Jack Falahee), Michaela Pratt (Aja Naomi King) e Asher Millstone (Matt McGorry) acabam se envolvendo, sem querer, em uma séries de crimes. A trama mostra como eles lidam com seus problemas pessoais e profissionais e também deixam claro o poder de Annalise dentro do tribunal. É uma boa pedida para quem curte drama e um certo suspense. How To Get Away With Murder está atualmente em sua quarta temporada.

Lançado em 2007 pela Ouseuse Lingerie, marca mineira de sutiãs, o projeto Amigas do Peito tem como objetivo doar sutiãs exclusivos a mulheres carentes que tiveram que passar pela mastectomia e não puderam colocar silicone. Com uma modelagem especial, as peças são feitas especialmente para se colocar uma prótese mamária. Mais do que ajudar esteticamente, a ideia é promover a autoestima de quem fez a cirurgia.

A iniciativa também visa alertar as mulheres sobre o câncer de mama, o segundo tipo que mais mata no mundo. Atitudes como manter uma alimentação saudável, não fumar, não beber e praticar atividade física regularmente ajudam na prevenção da doença. Além disso, a realização do autoexame regular é de extrema importância para detectar um tumor precoce e ter uma chance maior de cura.

As pacientes que são submetidas à mastectomia, que pode ser a extração parcial ou total do seio, normalmente precisam de apoio psicológico, o que é normal nesta situação. Com a doação deste sutiã especial, o projeto quer ajudá-las no resgate da autoestima, da feminilidade e do prazer pela vida.

O processo é simples: a mulher que necessitar do sutiã especial poderá entrar em contato com a Ouseuse e solicitar a peça através de uma entidade de apoio a pacientes com câncer. Com uma carta de apresentação da entidade, a pessoa poderá fazer a solicitação pessoalmente ou o próprio instituto poderá solicitar quantas peças forem necessárias.

É importante que a entidade seja formalizada e que faça a solicitação por escrito. A correspondência pode ser enviada por e-mail (ouseuse@ouseuse.com.br) ou para o endereço Rua Ana Vitória, 283, Centro, Juruaia (MG), CEP 37805-000. É necessário indicar o nome “Projeto Amigas do Peito” fora do envelope. A iniciativa busca ajudar mulheres carentes, mas aquelas que têm condições financeiras também podem fazer o pedido de compra do sutiã pelo mesmo e-mail.

pink-1821381_1920
Pixabay

Cerca de um terço da população em geral sofre de doenças alérgicas e as gestantes não são uma exceção. Durante a gravidez, pode ocorrer o diagnóstico de uma nova doença alérgica ou haver agravamento de uma pré-existente já conhecida. Quem faz o alerta é o médico José Elabras Filho, especialista da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) e um dos palestrantes do 44º Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia, que será realizado entre os dias 21 e 24 de outubro, em Belo Horizonte (MG).

As alergias mais comumente descritas, com agravo em relação à gestação, são asma, rinite, urticária, angioedema, eczema atópico e a anafilaxia. “A asma ocorre em 5% a 10% das mulheres grávidas. Seus sintomas são: tosse, falta de ar, chiado e opressão no tórax, que, geralmente, vem em crises mais comuns à noite ou pela manhã. Já a rinite afeta cerca de 50% das gestantes, e os sintomas são a obstrução nasal, coriza e espirros recorrentes”, explica o profissional.

A piora da asma durante a gestação, segundo o médico, está associada às alterações hormonais, principalmente ao aumento de progesterona e do estrogênio, que tem uma ação pró-inflamatória, e às alterações nos volumes dos pulmões decorrentes da própria gravidez.

“A presença do refluxo gastresofagiano, que pode piorar na gestação, seria outro fator agravante. E também é muito importante a questão da ansiedade da gestante e outros transtornos psicológicos associados, que também podem levar à manifestação dos sintomas de asma”,  diz José Elabras Filho.

O sistema nervoso pode piorar as alergias através de um desequilíbrio no sistema autônomo e pela liberação de mediadores pró-inflamatórios, os chamados neuropeptídeos. As alterações hormonais e do sistema nervoso também seriam responsáveis pelo agravo e manifestação das demais doenças alérgicas na gestante.

O médico esclarece ainda que as urticárias e o angioedema, que geralmente já existem antes da gestação, também podem piorar durante este período. As manifestações de urticária são placas avermelhadas na pele que coçam ou ardem e desaparecem depois de algumas horas. Já o angioedema é um tipo de inchaço das pálpebras, dos lábios, e de outras regiões do corpo. “Deve ser dada atenção especial para o angioedema hereditário, forma grave de angioedema, que pode também piorar muito na gestação”, alerta o médico.

O eczema atópico, ou dermatite atópica, consiste no aparecimento de placas avermelhadas e que coçam bastante, acometendo principalmente áreas flexoras dos membros nos adultos.

Por fim, a anafilaxia, que é uma reação alérgica bastante grave, que acomete vários órgãos, inclusive o sistema circulatório, e que pode levar ao estado de “choque”. A anafilaxia ocorre em até 2% da população em geral, e logo pode ocorrer também no período da gestação de forma proporcional.

Tratamento
A administração de um medicamento durante a gravidez requer um balanço cuidadoso entre o seu risco potencial e os efeitos da doença não tratada. “Os especialistas em alergia estão sempre atentos e utilizam os medicamentos de menor risco, nas doses apropriadas e mais seguras para as gestantes. Daí a questão da automedicação, que pode ser muito prejudicial, e tem que ser evitada ao máximo”, alerta Elabras.

O especialista explica ainda que, para o feto, as consequências dos sintomas das alergias da mãe são piores do que o risco inerente ao tratamento, principalmente no caso de doenças mais graves, como a asma, a anafilaxia e o angioedema hereditário.

Prevenção
Na abordagem de qualquer doença alérgica, sempre que possível, o elemento primordial consiste em evitar o contato com os alérgenos precipitantes, ainda mais durante a gravidez, de forma a permitir minimizar a necessidade do uso de medicamentos adicionais.

O especialista chama a atenção para as alergias a medicamentos, já que, durante a gestação, podem ser necessários remédios, inclusive no parto. “Importante ter o diagnóstico e investigar riscos de anafilaxia e a necessidade de imunoterapia, pois a mesma pode ser iniciada antes da gestação e mantida”, reforça.

“A dica é: tem suspeita ou a certeza de ter uma doença alérgica, procure um alergista, se possível antes mesmo de engravidar. Não faça tratamentos por conta própria ou sem orientação médica, pois o não tratamento ou o tratamento inadequado das alergias podem ser muito lesivos à sua saúde e a do seu bebê”, recomenda José Elabras.

Serviço:

XLIV Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia

Data: De 21 a 24 de outubro, das 8h30 às 18h
Local: Minas Centro – Belo Horizonte
Informações: www.congressoalergia2017.com.br

Foto: Pixabay

Atenção, apaixonados por café e chocólatras de plantão: está chegando em São Paulo mais uma edição do Festival do Cacau e do Café. O evento será no dia 1º de outubro, no casarão tombado Quintal da Bela, na região da Avenida Paulista. Quem participar vai conferir a presença especial do cantor Marcos Vox, cover do Freddie Mercury e Balada ao Ar Livre com aula de “passinhos” do professor Hiago Queiroz. A entrada é gratuita.

“Os amantes de café e do cacau, como eu, não podem ficar fora dessa. Ter inúmeras delícias feitas com esses dois abençoados ingredientes, em um mesmo lugar, é algo imperdível. Ainda mais com música de qualidade para todas as idades e gostos. É uma mistura perfeita para aproveitar o domingo com a família e os amigos”, convida Elaine Vilela, sócia-proprietária do Espaço As Meninas Feiras e Eventos.

Parceira desde as primeiras edições, a 3Corações trará, mais uma vez, a degustação gratuita de toda sua linha de cafés, chocolate e cappuccino. O cardápio vai contar com cafés de vários sabores e regiões, o famoso Café Caramello, drinks com cafés, gelatos, cannolis, bombons, trufas, brigadeiros, brigadeiros gourmet, brigadeiros veganos, brownies, petit gateau, fondues, pudim e muitos outros doces e salgados a partir de R$ 3,00.

O festival, que na edição anterior teve a participação de mais de 30 mil pessoas, vai arrecadar alimentos não perecíveis para a Creche CCI Início de Luz, que cuida de 100 crianças carentes das regiões do Cambuci e do centro da capital paulista.

Serviço:

6° Festival do Cacau e do Café e 5ª Balada ao Ar Livre
Data: 1º de outubro de 2017, das 11h às 18h
Local: Quintal da Bela – Rua Bela Cintra, 954 (próximo da estação Consolação do metrô)
Entrada Gratuita

Considerada uma das causas mais comuns de infecção na primeira infância – em especial, na idade pré-escolar (crianças até 6 anos de idade) -, a otite média (OM) lidera as causas de idas ao médico nesta faixa etária e é também o principal motivo de prescrição de antibióticos e indicação de cirurgias na infância.

“Mais de 60% dessas crianças irão apresentar episódios de OM em algum momento. Até os três anos de idade praticamente todas as crianças irão apresentar pelo menos um episódio de otite aguda (OMA), e cerca de 50% delas terão episódios recorrentes (três ou mais episódios em 6 meses, quatro ou mais episódios em 12 meses)”, explica a médica otorrinolaringologista e especialista em otoneurologia Jeanne Oiticica

Em geral, a otite média é causada por bactérias ou vírus. “Na maioria das vezes a causa é bacteriana. Streptococcus pneumoniae, Haemophilus Influenzae, Staphylococcus aureus, Moraxella catarrhalis e S pyogenes são as bactérias que mais comumente causam otites. Em crianças de até dois anos de idade, os vírus representam cerca de 40% dos casos, entre eles o vírus Syncycial respiratório e o Rhinovirus humano. A perfuração espontânea da membrana timpânica trata-se de uma complicação que pode ocorrer em até 30% dos casos”, diz a médica.

Sintomas

A OM pode ser dividida em categorias: aguda (OMA), aguda recorrente (OMAR), com efusão (OME), crônica (OMC) e crônica supurativa (OMCS). A OMA se caracteriza por efusão na orelha média, quadro de início abrupto e brusco, com sinais e sintomas de inflamação local (muita dor que pode interferir no sono e nas atividades rotineiras, sensação de ouvido tampado, otorreia), além de sintomas sistêmicos como febre, mal-estar geral, falta de apetite, náuseas, vômitos. A OMA lidera as causas para uso de antibióticos em crianças. O pico de prevalência da OMA ocorre dos seis aos 18 meses de idade.

Já a OME é definida por efusão na orelha média, sem os sinais e sintomas decorrentes da infecção aguda da orelha. Ela varia de sintomas ausentes ou mínimos, a distúrbios do sono, e até perda auditiva significativa e impacto direto na fala. A OME que persiste por mais de três meses pode ser considerada OMC. Ela pode ocorrer como parte da recuperação da OMA, tendo em vista que a inflamação aguda resolveu, porém bactérias remanescentes ainda podem estar presentes na orelha. A OMCS indica inflamação persistente na orelha média, que leva à otorreia (purgação do ouvido, vazamento de pus pelo ouvido), que persiste por pelo menos duas semanas – em alguns casos persiste por meses ou anos -, com perfuração da membrana timpânica.

“Inflamações/infecções do nariz não tratadas ou tratadas de forma incompleta podem afetar diretamente o ouvido. Malformação congênita do osso do ouvido, condições de baixa imunidade também podem propiciar o quadro ou complicações. Crianças com OMA em ambos os ouvidos, não tratadas com antibióticos, são mais propensas a otites persistentes. Crianças que não respondem como esperado ao tratamento padrão, em 48 a 72 horas, devem ser melhor investigadas, por meio de exame clínico mais detalhado com especialista e até mesmo exames de imagem”, alerta Jeanne.

Prevenção

As OM podem vir acompanhadas de comorbidades como má nutrição, anemia e HIV, entre outras. Ações como amamentar, evitar o cigarro durante e após a gestação e reduzir a exposição à poluição ambiental podem prevenir o aparecimento da OMA, suas complicações e sequelas. O tratamento imediato dos quadros de gripes, resfriados, alergias, rinites e sinusites é fundamental, pois evita que a doença se alastre e ocupe a orelha média.

A médica explica que algumas vacinas também têm impacto direto na prevenção da otite média, como a Pneumococcus Conjugada (VPC). “A VPC13, capaz de conferir imunidade a 13 cepas diferentes, é eficaz na prevenção de otites pelo S pneumoniae. As Vacinas Haemophilus Influenzae tipo B (Hib) conjugadas praticamente erradicaram a doença Hib invasiva em crianças, nos países onde estas são usadas de rotina”.

Tratamento

O tratamento da doença é feito a base de antibióticos, corticoides, gotas tópicas no ouvido (em casos de perfuração da membrana timpânica), analgésicos e anti-inflamatórios. “Para evitar recorrências, é fundamental tratar a causa da otite, seja ela rinite, adenóide, baixa imunidade, alergia, etc. Em alguns casos, a cirurgia faz-se necessária, vai depender da recorrência dos sintomas e do impacto direto na fala, linguagem, sono, qualidade de vida da criança em questão”, conclui a especialista.

A otite é uma das causas mais comuns de infecção na primeira infância / Foto: Pixabay

No Brasil, uma a cada mil pessoas pode desenvolver a trombose venosa profunda (TVP), doença que pode evoluir para embolia pulmonar e ser fatal. Por ano, cerca de 400 mil casos são registrados aqui. “A trombose venosa profunda causa dores e inchaço súbito que pioram quando a região é pressionada, fazendo com que muitas pessoas confundam com dor muscular ou com um início de um processo inflamatório”, afirma o cirurgião vascular Caio Focássio.

A trombose venosa é um distúrbio vascular causado pela formação de um coágulo de sangue (trombo) dentro de um vaso sanguíneo (veia). Isso ocorre devido à diminuição de velocidade de fluxo dentro das veias, quadro que ocorre quando ficamos muito tempo parados, já que neste estado a coagulação é mais ativada, como em períodos pós operatórios, traumas graves ou ainda por lesão da parede interna das veias.  

Apesar da idade avançada ser um fator de risco para a trombose, isso não quer dizer que o problema não ocorra em outras fases da vida. “Mesmo sendo menos comum, a trombose pode acontecer em jovens, em período pós-cirúrgicos, no casos de obesidade, câncer, de pacientes com doenças autoimunes e durante a gestação. Além disso, longos períodos de imobilização, como viagens, por exemplo, também podem ser situações que aumentam as chances de adquirir a doença”, alerta o médico.

Também estão no grupo de risco pessoas que fazem uso de medicações como contraceptivos orais, quimioterápicos e tratamentos hormonais, pacientes que passaram recentemente por um AVC (acidente vascular cerebral) ou que sofreram traumatismos -principalmente nas extremidades inferiores -, pessoas com doenças crônicas, como insuficiência cardíaca, e doenças pulmonares crônicas ou doenças agudas, como infarto do miocárdio, pneumonia ou vítimas de fraturas ósseas.

Já para prevenir a trombose, o médico recomenda controlar o peso, não fumar, ter uma alimentação balanceada, não ficar muito tempo sentado, praticar atividades físicas três vezes na semana por pelo menos 30 minutos e usar meias elásticas devidamente recomendadas por um cirurgião vascular.

Com o tema ‘Trabalhar juntos para o bem comum’, a Semana Mundial do Aleitamento Materno de 2017, que acontece de 1 a 7 de agosto, conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e do Ministério da Saúde com o objetivo de chamar a atenção para a importância deste ato fundamental para a saúde da criança. Neste contexto, a pediatra Ana Escobar ajuda a esclarecer as dúvidas e dá dicas para facilitar esse momento tão precioso do bebê e da mamãe. Confira:

Benefícios para o bebê
A amamentação tem muitos benefícios para a mamãe e para o bebê. Crianças amamentadas apresentam menor risco de desenvolver diversas doenças e têm proteção e imunidade melhor por conta dos anticorpos e de outras propriedades anti-infecciosas que só o leite materno contém.

Bebês que mamam têm menor chance de obesidade e suas comorbidades na vida adulta. Além disso, seu desenvolvimento neuro-psico e emocional é estimulado graças a gorduras especiais encontradas no leite materno que são ideais para seu cérebro.

Benefícios para a mãe
Quem amamenta diminui o risco de ter câncer de mama e de ovário e têm mais facilidade para retomar o peso de antes da gestação, além de correr menor risco de hemorragias no pós-parto.

Embora seja um processo natural, mamãe e bebê precisam aprender juntos sobre amamentação. Para muitas mães, o processo é difícil nas primeiras semanas, por isso é tão importante ter informações e contar com o apoio de pessoas especializadas, fazendo o período de aleitamento durar mais.

Rotina de amamentação
Os bebês nascem mamando pouco e devagar. Não é recomendado impor regras ou horários pois, aos poucos, o tempo e a rotina das mamadas se organizam. O importante é que o bebê ganhe peso progressivamente. Geralmente, após o décimo dia de vida, o bebê ganha 30 gramas por dia.

O local para amamentar deve ser o mais aconchegante possível. Durante a noite, o bebê deve ser amamentado no quarto, com pouca luz e em silêncio, para que entenda que é noite e volte a dormir. Durante o dia, outros ambientes podem ser usados. Em média, a mamada dura de 20 a 40 minutos, mas isso não é uma regra. O importante é que o bebê fique satisfeito.

Há pelo menos cinco formas de segurar a bebê na hora de amamentar, mas não é necessário variar a cada mamada, basta encontrar a mais confortável. Vale colocar uma almofada para não cansar o braço e usar um apoio para os pés, deixando-os elevados. Isso ajuda a diminuir o inchaço do pós-parto.

Oferecer um peito ou os dois?
O leite materno apresenta três fases: a primeira, mais clara, é rica em anticorpos e muito importante para a proteção do bebê; a segunda fase é o leite propriamente dito, com todos os seus nutrientes essenciais; a terceira fase é a gordura, de tipo saudável, que ajuda o crescimento e desenvolvimento dos pequenos.

Por isso, aconselha-se que se esgote um peito em uma mamada, para que o bebê possa receber as três fases. Caso ele ainda esteja com fome, não há problema em oferecer o outro peito.

Amamentação de gêmeos
Para as mães que têm gêmeos, o recomendado é amamentar um de cada vez, pelo menos no início. É importante alternar o seio oferecido para que cada filho tenha oportunidade de mamar nos dois peitos. Para começar a organizar os horários, o ideal é amamentar o bebê que acordou primeiro. A amamentação simultânea é indicada e pode começar quando a mãe se sentir mais segura.

Cada mãe deve encontrar a posição que achar mais confortável para alimentar o seu bebê / Foto: Pìxabay

A Associação Doutores da Alegria vai receber, até 16 de junho, inscrições para o projeto Plateias Hospitalares, realizado no estado do Rio de Janeiro desde 2009, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Saúde. O edital deste ano vai selecionar artistas e grupos para se apresentarem em hospitais públicos em 2018 e 2019. Serão escolhidos trabalhos com foco em artes cênicas, música e dança. Entre os critérios de seleção do edital estão a excelência artística do projeto, a criatividade, a originalidade, a qualificação dos artistas e técnicos e a adaptação da montagem em diferentes espaços de encenação.

A organização será responsável pela curadoria, contratação e orientação dos artistas selecionados. As apresentações serão especialmente adaptadas para cada ambiente, seja ele um hospital que trata a tuberculose – em que a distância do paciente é medida preventiva – ou uma comunidade no entorno que abriga idosos com doenças degenerativas.

O projeto Plateias Hospitalares viabiliza o acesso de pacientes, acompanhantes e funcionários de hospitais a apresentações artísticas de diferentes linguagens, como teatro infantil e adulto, teatro de bonecos, teatro de rua, intervenções cênicas, contação de histórias, circo, música e dança. As encenações ocorrem em sete hospitais públicos – seis da rede estadual e um da rede municipal – do Rio de Janeiro.

O projeto é inspirado no programa americano Hospital Audiences, que leva espetáculos culturais aos hospitais, com o objetivo de ampliar o acesso à cultura de pessoas que muitas vezes têm seu primeiro contato com a arte em um leito hospitalar.

As inscrições para o edital são gratuitas. Os projetos devem ser enviados para o email editalplateias@doutoresdaalegria.org.br. Para mais detalhes sobre os critérios de seleção e condições para a participação do programa, acesse o site: www.doutoresdaalegria.org.br/doutores-da-alegria-abre-selecao-para-projeto-plateias-hospitalares

doutores-da-alegria-logo-novo