Mulher Maravilha e o renascer da DC

Há certo receio ao ouvirmos que a DC está lançando outro filme de super herói, já que a maioria de seus antecessores  ou tiveram um péssimo retorno de público, ou uma crítica extremamente dura com roteiros falhos e cheios de respostas e soluções preguiçosas, uma edição que parece ter sido feita por alguém que simplesmente não queria juntar os pedaços e personagens muito, mas MUITO ruins e mal desenvolvidos.

Este não é, nem de perto, o caso de Mulher Maravilha.

O filme conta a história de Diana Prince (Gal Gadot), uma guerreira imortal, filha de Hipólita e princesa da ilha de Themyscira. É mostrado um pouco da infância de Diana e de seu treinamento, e depois de um tempo o gatilho da história do filme acontece: a queda do piloto Steve Trevor (Chris Pine) na praia da ilha. Ele conta a todas as Amazonas sobre a Primeira Guerra Mundial, e Diana decide partir com ele para combater aquele grande mal, que ela acredita ser Ares, o deus grego da Guerra.

Os momentos iniciais do filme consistem basicamente em introduzir Diana em uma sociedade completamente diferente da sua, usando esta adaptação como recurso cômico e momento de leveza. Alguns podem chegar a dizer que este recurso foi utilizado de forma muito drástica ou até mesmo em excesso, mas esse não é o caso. Estes momentos são necessários e contribuem para a construção da personagem e do enredo de forma muito satisfatória.

O roteiro suspira feminismo e empoderamento, tem traços cômicos sem grandes exageros; algumas vezes é estabelecido um clima mais sombrio, que contribui de forma brilhante para a construção da história da personagem. Aqui vemos uma Diana inocente que ainda está descobrindo as coisas boas e ruins sobre o mundo. Ela também está descobrindo seus poderes e do que é capaz, então, por vezes, nos vemos tão surpresos quanto ela. A evolução acontece durante o filme de forma natural, e não drasticamente como já vimos em filmes anteriores da DC.

A diretora Patty Jenkins foi uma ótima escolha. As cenas de luta realçam as habilidades das Amazonas e da própria Diana com um slow motion com enquadramento fechado nos momentos e pontos certos, além de uma trilha sonora que arrepia quem acompanha o filme. O jogo de câmera em momentos decisivos consegue despertar as exatas reações desejadas nos espectadores. Em um certo momento, onde Diana está indo em direção a uma batalha, você se arrepia ao ver, pela primeira vez, o traje dela completo; uma cena simples que consegue nos deixar com as emoções a flor da pele. Você sentirá este momento chegando, assim como muitos outros incríveis que te deixarão arrepiado.

Mulher Maravilha é uma lição de duas horas e vinte e um minutos sobre amizade, lealdade, empoderamento, liberdade, escolhas que temos que fazer (e algumas que não devemos) e, sobretudo, amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s