Mãe

Eu poderia escrever mil e uma palavras apenas para tentar começar a descrever nossa relação.

Somos opostos de uma mesma moeda: uma de nós, ranzinza, séria, fechada em suas responsabilidades, uma mulher independente que consegue tudo o que quer, sem nunca passar por cima de outros ou tratá-los mal; a outra, apenas uma criança que vê um mundo cheio de esperança e sonhos, por vezes quebrados pela dura realidade e massacrados por suas idealizações impossíveis. Uma sempre criticando e brigando com a outra.

Mas em momentos de paz, como esse e muitos outros, elas residem em apenas um coração, este sempre aberto a novos horizontes momentâneos, traçados por um relógio que apenas faz o tempo passar e passar. Todos os dias, a sonhadora se levanta de seu leito conturbado para um dia mais intrigante que a origem de suas forças, e aquela grande mulher descansa sua cabeça em um travesseiro de plumas, pronta para se levantar em mais alguns minutos e começar sua rotina tanto quanto ou mais agitada que a daquela menina.

Por vezes me pego pensando em como somos diferentes em nossos gostos, convicções e idealizações, e como apenas almejamos a tão sonhada paz. Claro como o mais limpo dos riachos, tenho a revelação: nossas diferenças nos fazem quem somos, provando que mais do que uma conexão em nossas células é necessária para provocar semelhanças. Porém diferenças não são ruins, elas são boas. Nós não nos apaixonamos por o ‘nós mesmos’ no outro, e sim por suas diferenças.

Então saiba que, acima de tudo, meu amor é por cada discussão, cada opinião contrária, cada música sobre a qual tenho que ouvir uma reclamação. Cada verso e cada poema. Cada curva ou falta delas. Cada célula e cada batida do coração. Não se engane por palavras de ódio ditas ao vento frio de abril​, e sim se apaixone pelas palavras de conforto ditas no clima quente de janeiro.

Amar deve ser uma realidade totalmente misteriosa, considerando que nem mesmo consigo descrevê-la para minha própria mãe. Porque cada batida do meu coração, cada respiração falha, cada decepção, amor, desilusão, experiência ou aprendizado eu devo a você, a pessoa que me colocou neste mundo. E acima de tudo, a pessoa que, a seu modo, segue dia a dia me ensinando a viver nele.

Foto: Pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s