Volta ao trabalho após licença-maternidade é período difícil para as mães

Uma pesquisa realizada pela Robert Half em 2013 revelou que em 85% das empresas no Brasil, menos da metade das funcionárias mulheres não voltam a trabalhar após o nascimento de um filho. Diversos fatores impedem tal retorno, mas como aquelas que retomam à rotina lidam com este momento?

O tempo de afastamento das atividades profissionais varia entre quatro e seis meses, dependendo do tipo de ocupação da mulher. Entretanto, a retomada às atividades não é fácil, como no caso de Driele Almeida, auxiliar de farmácia.

Driele já passou por duas gestações, porém, na primeira era autônoma e, desse modo, teve maior liberdade com seus horários. Já em sua segunda gravidez, o retorno ao trabalho foi um pouco mais complicado. “A volta à rotina profissional não é fácil, mas aprendemos que é preciso deixá-los, até para o bem deles. Fiquei quatro meses em casa com minha filha e quando retomei as atividades ela ficou com minha mãe”, conta.

Segundo o estudo Fórum da Criança, divulgado no início de 2015, em Lisboa, dois terços dos avós ficam com os netos em casa. E para 72% dos pais ouvidos na amostra, são eles os principais parceiros nos cuidados e educação de seus filhos.

“Fiz essa escolha de deixar com a minha mãe em vez da creche por confiar plenamente nela e por ela ser aposentada. Não deixaria minha filha com outro alguém que não minha mãe”, diz a auxiliar de dentista.

Para as que moram perto do emprego ou deixam seus filhos em creches próximas, a lei brasileira dá uma ajuda. Logo após o período de afastamento, até o bebê completar seis meses de vida, as mulheres têm direito a dois intervalos de meia hora cada durante o expediente para amamentar.

Para Karla Silva, dentista, a volta à rotina de trabalho foi um pouco diferente. Antes da gestação, ela trabalhava de segunda à sexta, das 9 da manhã às 9 da noite. Porém, após a chegada do bebê, foi necessário reduzir o ritmo.

“Hoje minha filha tem dois anos e quatro meses, mas por ela não estar na escola ainda, meu horário diminuiu bastante. Hoje trabalho das 12 às 18 ou, no máximo, até às 20 horas, de terça e sexta”, comenta a dentista.

Para Carolina Noronha Cruz, psicóloga, é fundamental que as mamães entendam a necessidade de conciliar emprego e família. Ela dá algumas dicas para as mulheres que estão próximas de retomar suas atividades ou já estão trabalhando:

  • Conversar com os filhos e explicar o que está acontecendo, visando ajudá-lo a compreender esta nova fase;
  • Aprender a lidar com a culpa e a sensação de insegurança;
  • Trocar informações com outras mães que passaram pelo mesmo processo;
  • Decidir quem tomará conta do bebê durante a sua ausência.

A psicóloga afirma que ao estimular a linguagem das crianças, a mãe consegue demonstrar o quanto ela é importante e amada. Quanto mais difícil se tornar o processo de adaptação para a mulher, maior será a dificuldade do bebê também. 

“Tomar a decisão de interromper a vida profissional para ficar com o filho em tempo integral pode causar frustrações futuras e cobranças injustas com a criança”, alerta Carolina. Para a especialista, o ideal é decidir a opção com a qual a mamãe ficará mais segura e menos preocupada ou adaptar suas condições de trabalho, sem abrir mão da sua vida como mulher, profissional, esposa e amiga.

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s