Autor cria quadrinhos com temas LGBT

Fotógrafo, quadrinista e estudante de geografia pela Universidade de São Paulo, Wes Nunes, de 24 anos, é o fundador da página Manifesto dos Quadrinhos, criada em junho de 2014. Com mais de 31 mil curtidas no Facebook, as abordagens são temas de críticas sociais e defesa ao público LGBT. Wes conversou sobre o seu trabalho e suas inspirações com a nossa redação.

Opa – O que te incentivou a dar início ao Manifesto dos Quadrinhos?

Wes – Na época em que criei a página, eu tinha passado uns três anos sem desenhar absolutamente nada, pois vivi um período difícil de depressão. Voltei desenhando coisas que tinham a ver com o meu estado emocional. Tenho uma conexão muito grande com desenhos, acima de muita coisa em relação à minha vida, e passei a transformar tudo o que estava sentindo sobre coisas reprimidas de sexualidade em quadrinhos.

Opa – O que te levou a abordar temas tão críticos contra a PM e em defesa da periferia?

Wes – Quando se fala de periferia, automaticamente, há uma ligação à violência numa relação de marginalização pelo espaço habitado. A PM é um instrumento do Estado que realiza essa ação, por isso nos meus trabalhos você vai encontrar muito essa abordagem. Eu cresci homossexual na periferia, onde a violência ao pobre, ao negro, à mulher se materializa contra esses indivíduos, justamente por uma exclusão espacial.

Opa – Como funcionam as produções e as periodicidades de criação?

Wes – A periodicidade tem que ser semanal, eu diria. Com a minha volta aos desenhos, mesmo com menos qualidade por ter ficado parado há tanto tempo, passei a postar no meu perfil pessoal do Facebook e logo em seguida resolvi fazer a página para compartilhar mais. Hoje já tenho mais recursos físicos para continuar produzindo.

Opa – Qual a importância dos quadrinhos para a conscientização do público com os temas abordados?

Wes – A conscientização do público vem de acordo com a apropriação que as pessoas têm em relação a esse trabalho. Mesmo que o artista tenha uma mensagem crítica, é preciso que o público absorva essa mensagem. É uma ótica de signos que partem dessa atribuição de mensagem visual para a sociedade.

Opa – Você recebe muitas críticas por defender o público LGBT?

Wes – Há muitos comentários em forma de palavras, de imagens, com uma tentativa de me atingir por ser homossexual. Como alguém que aborda essas temáticas, eu sempre excluo e bloqueio as ofensas, pois não são críticas, são discursos de ódio.

Foto: Arquivo pessoal
Wes Nunes, quadrinista de histórias em quadrinhos LGBT / Foto: Arquivo pessoal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s