Parkour: adrenalina e emoção nas ruas de São Paulo

Quem gosta de esportes radicais com certeza já ouviu falar no parkour, uma modalidade cheia de adrenalina e aventura, que desafia seus praticantes. Em uma cidade cheia de muros altos como São Paulo não é difícil ver pessoas saltando em praças, pulando os mais altos prédios e se arriscando em meio ao concreto.

Criado na França, nos anos 1990, a atividade foi inspirada em um treinamento militar e consiste em saltar e escalar muros e portões. O maior objetivo do tracer, como é chamado o praticante, é superar obstáculos. E embora o esporte geralmente seja praticado ao ar livre, também existem academias especializadas que treinam crianças e adultos.

De acordo com Rafael Schawch Couto, praticante de parkour há 10 anos e professor na “Academia Tracer”, o principal objetivo de quem pratica o esporte é diminuir as barreiras que limitam seu deslocamento e buscar novas possibilidades. “O que nós buscamos com o parkour é chegar de um ponto ao outro de forma rápida e eficiente, ultrapassando todos os obstáculos. Nós não incentivamos as competições porque a filosofia do esporte está em escutar o seu próprio corpo e superar a si mesmo”, explica.

Ainda segundo Rafael, o esporte pode ser praticado por pessoas de todas as idades e em diferentes lugares. “Na rua nós pulamos os muros, mas quem tiver interesse pode começar a praticar até mesmo em casa. Por exemplo, se você estiver na cozinha e quiser ir para a sala, ao invés de dar a volta naquele sofá que está ali no meio, pode saltar por cima dele. O parkour consiste basicamente na busca por caminhos alternativos no ambiente em que você está. Qualquer forma de exploração diferente já é parkour”, diz.

A prática da atividade resulta em diversos benefícios para o corpo e para a mente. Com o passar o tempo, o praticante vai ganhando mais resistência física, massa muscular e fortificando as articulações. Além disso, o atleta ainda consegue ter novos olhares e perspectivas sobre as coisas e aprende a superar os medos.

Breno Dutelo Pastore descobriu o parkour há cerca de dois anos, através de vídeos na internet, e afirma que o esporte representa uma mudança muito grande na sua vida. “O parkour me ajuda a relaxar porque sou muito ansioso e aqui eu libero a adrenalina. Em época de prova, treinar é o que mais me ajuda. Depois que comecei a fazer, eu me sinto mais feliz, mais disposto e aprendi a lidar melhor com o meu corpo”, conta.

Para os tracers, quanto maior o desafio, melhor / Foto: Arquivo pessoal
Para os tracers, quanto maior o desafio, melhor / Foto: Divulgação 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s